Logo SPEND IN
Twitter Instagram Pinterest Facebook

 
 
 
PDF Version

architecture

Neighbourhood, where Álvaro meets Aldo

Para além de representar Portugal na XV edição da Bienal de Arquitetura em Veneza, esta exposição chega também à Garagem Sul, no Centro Cultural de Belém. Nela, Álvaro Siza reencontra-se com as suas obras para descobrir o seu caráter social anos depois de terminar o projeto. Tem como cenário fenómenos como a imigração, a gentifricação e a turistificação.

Neighbourhood, where Álvaro meets Aldo

As cidades vivem-se. Cada espaço que se constrói é povoado, explorado em todas as suas possibilidades por uns e outros, adquirindo naturalmente um caráter único. A última Bienal de Arquitetura de Veneza propõe um tema: a vivenda social. Portugal respondeu com Álvaro Siza e projetos seus em quatro contextos diferentes: Campo di Marte em Veneza; Schlessisches Tor em Berlim, Schilderswijk West em Haia e o Bairro da Bouça no Porto. Os quatro servem como exemplo do resultado da experiência da participação social, refletindo o caráter democrático da cidade, da cidadania e da memória coletiva. Décadas depois de terminadas as obras, o arquiteto português reencontra-se com os seus “filhos”, convertidos em verdadeiros coletivos de bairro, que se unem ao pensamento do seu contemporâneo Aldo Rossi. De 11 de Novembro e até Fevereiro, está patente na Garagem Sul a exposição “Neighbourhood, where Álvaro meets Aldo”.
A exposição documenta o regresso de Siza em 2016 aos quatro bairros, onde é confrontado com realidades desabrochadas dos seus projetos, que, entretanto, foram regados com fenómenos como a imigração, a turistificação ou a gentrificação. A filosofia do arquiteto alimenta-se do contato com a cultura italiana, particularmente com o legado conceptual de Aldo Rossi, cujo importante ensaio “The Architecture of the City” foi publicado há 50 anos. O trabalho de Siza permitiu criar verdadeiros lugares habitacionais, onde os vizinhos formam um ecossistema único, multicultural e que aspira a uma maior tolerância. A mostra revela semelhanças entre Álvaro e Aldo, dois nomes que representam, metaforicamente, todos os cidadãos que cruzam as esquinas dos bairros diariamente. Na visita a Berlim, Veneza, Haia e Porto, Siza conheceu os antigos e os novos moradores, analisando em detalhe a evolução dos espaços, mas sobretudo, as mudanças urbanas que ocorreram durante este período de tempo. Nalgumas zonas houve o surgimento de guetos, enquanto outras entraram ridiculamente na moda, atraindo massas e transformando o seu ecossistema e estrutura económica, obrigando os vizinhos mais humildes a procurarem novos bairros onde viver.
“Neighbourhood, where Álvaro meets Aldo” é composto por fotografia e vídeo e fala sobre as cidades do século XXI com Álvaro Siza como guia.